BILE NEGRA – Por Anderson Onofre

Anderson Onofre*

Publicado originalmente no blog Habitante Sem Nome. 

Tenho acordado assustado, como quem sente que está atrasado para algo da maior importância, mas não lembra o quê.

Tenho procurado desculpas e argumentos, para as minhas faltas e para as dos outros, feito vista grossa aos pequenos pecados que machucam…

Tenho recorrido a vícios antigos, vestidos com roupas novas e bem passadas, procurado uma forma elegante de destruição.

Tenho invadido templos vazios em busca de ídolos que já se foram.

Tenho jogado conversa fora porque não vale a pena guardar…

Tenho coberto e lacrado espelhos, que insistem em me mostrar o cinismo que repudio… para que possa continuar, cinicamente, a repudiá-lo.

 

Tenho andado me esgueirando por vielas escuras como quem se assume indigno por essência, baixado a cabeça para que nenhum olhar cruze com o meu e me descubra… e me revele ao mundo como o embuste que venho guardando em segredo de mim mesmo.

Pois há muito que venho escrevendo obras, dignas de um gênio, em línguas que não existem; pintado telas (não menos geniais!) com água e óleo incolor; escrito poesias que são metralhadoras de catarse, mas que nunca recordo de cor.

Tenho perdido o sono por conta de uma culpa que não conheço.

Tenho me assustado com estalos dos assoalhos de madeira, como quem faz o errado, ciente de que o está fazendo.

Tenho odiado o que está por perto e amado o que está longe… e depois, tenho chorado de saudades e sangrado teatralmente quando aquele que, outrora a meu lado, se afasta.

Tenho feito falsas e interesseiras penitências em público, apenas para poder me culpar ainda mais…

Tenho gasto meus últimos anos a lamentar pelo tempo perdido… me queixado da miopia do mundo enquanto tropeço em minha própria bagunça.

Tenho ensaiado e atuado, apaixonadamente, para uma platéia bocejante que perde a hora do aplauso.

Tenho andado pelas ruas do lugar em que nasci como um forasteiro, visto o antigo com estranheza e receio.

Tenho aguardado a hora de ser pego em flagrante, cometendo (sem saber) o maior dos delitos (que ainda não imagino qual).

Tenho pago diariamente parcelas de uma dívida que só faz crescer e que me cobra mais do que sou.

Tenho olhado para as estrelas com ares de saudades e iludido os ignorantes com pretensão messiânica.

Tenho procurado o fracasso com um misto de pesar e alegria, como o viciado se destrói na repetição.

 

*Anderson Onofre, simpatizante da psicanálise e dependente da escrita.

Anúncios

Autor: Reverbero

Jornalista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.